segunda-feira, 26 de abril de 2010

O Presidente da República que temos

Fiquei surpreso pelas declarações proferidas pelo Presidente da República Checa aquando da visita que o nosso Presidente Cavaco Silva recentemente fez aquele país. Entre a surpresa, o choque e o regresso à "normalidade", perguntei-me se era possível, em diplomacia, durante uma visita de estado, proferirem-se tais afirmações sobre um País, neste caso o nosso, relativo às contas públicas.
Ditas e reafirmadas, pois duas vezes o senhor Presidente Checo o fez e ainda por cima em tom jocoso. Do mais ordinário que já vi e li. Tratando-se de um encontro entre Chefes de Estado durante uma visita oficial - e nem que o não fosse - mostrou o anfitrião as suas origens de servidor (?) de um ex-estado totalitário arrogante, do pior que o mundo já sentiu e que a democracia não limou.
Mas o meu choque foi ampliado ao ouvir a "labreguice" do nosso Presidente da República, declarando coisas sem nexo, como se aquela afronta do desmiolado senhor checo não nos atingisse como Portugueses.
Fico com vergonha deste nosso presidente que não soube responder, mas pior que tudo, fingiu que não estava lá.
É este servidor que temos. Seja qualquer for a crise ele não sabe, não vê, não ouve. Não merece ser o Presidente de todos os Portugueses. Não é sequer um político. E nem homem deve ser. Esses têm-nos no sítio e sabem dar um murro quando é preciso. Eanes, Soares ou Sampaio saberiam o que dizer e como agir.
Está em curso a campanha do nariz vermelho. Dêem um ao sr. Cavaco para a campanha dele. Mas digam-lhe como o usar, pois ele pode pensar que é para utilizar como preservativo mas no sítio errado.

5 comentários:

Anónimo disse...

Ó pá. Que estavas à espera?
Então ele não ajudou também a pôr esta merda no estado em que está. Eu esquerdista? Não. eu sou de esquerda, mas de uma esquerda não fingida.
Um abraço
Ribeiro

Anónimo disse...

não sabes quanto me é penible, que meu comentario não tenha sido aceite

Jorge Portojo disse...

Para o anónimo, ou anónima.
Não tenho cá mais nenhum comentário seu.
Apenas a sua lamentação, segundo entendi

nandokas disse...

Olá,
Bom texto! Até diria mais: "boa malha!".
Um abraço
Fernando Oliveira

serico115 disse...

Sr. Jorge!
Não sei quem é, mas através do meu camarada de armas em Tavira em 1959/60, que me envia coisas sempre que acha interessantes, Fernando Almeida de Rio Tinto, vim parar ao seu Blogue, e achei curiosa sua postura sobre a visita de Cavaco Silva à Checoslováquia, porquanto teci, em outros locais um comentário que, ainda que com palavras e termos diferentes, o seu sentido encaixa completamente. Na verdade achei um autêntico vexame o que se passou, sem que houvesse um mínimo de reacção pela humilhação. A crise em que se encontra este nosso desditoso País, está assumindo não só grandes proporções económicas, mas muito grandes também na área dos políticos. Mas o que me deixa mais apreensivo, é que no espectro actual tenho dificuldade em apontar um que me mereça a confiança que acho minimamente indispensável para o desempenhos dos nobres cargos, onde a capacidade, coragem, discernimento, são factores primordiais para o bom desempenho de que tão carentemente se necessita.
Um abraço, e parabéns por seu Blogue.
José Costa, serico115@hotmail.com